COMO TUDO COMEÇOU

Natural de Perdizes, cidade do Alto Paranaíba Mineiro, Guilherme Ferreira ou simplesmente Gui Ferreira, como é conhecido pelo público tem como objetivo uma projeção no cenário nacional.

Aos 25 anos o sertanejo mostra que já está pronto para ganhar o Brasil, e se tornar tão popular e querido quanto no interior de Minas Gerais. A paixão pela música sertaneja vem de longe, uma história que começou aos nove anos de idade, quando foi matriculado pelos pais em um conservatório de música da vizinha Araxá (MG). Entre as referências dessa época, nomes consagrados como Tião Carreiro & Pardinho, Chitãozinho & Xororó, Milionário & José Rico, Chrystian & Ralf, João Paulo & Daniel, Bruno & Marrone e Matogrosso & Mathias. Os clássicos de seus ídolos foram os pioneiros a ganhar os acordes de seu violão, primeiro instrumento a ser tocado.

Para quem pensava que o garoto iria parar no violão, a aposta estava errada. Vieram a viola, a guitarra e o clássico piano, que se tornariam parceiros permanentes ao longo do caminho.

Mas estão na voz e interpretação diferenciadas seus principais trunfos. Desde os primeiros festivais em que participou, notava-se que o menino iria longe. E a personalidade já vem daquela época. Até 2010 ele conciliou as apresentações na região com as aulas da Faculdade de Engenharia da Computação, em Uberlândia (MG), cidade para onde se mudou. Naquele ano, surgiria a oportunidade de gravar o seu primeiro álbum. A faixa “De Tanto Te Amar”, de sua autoria, logo se transformava numa das mais tocadas em todas as rádios de sua região

O sertanejo universitário via nascer uma nova estrela. Além de “De Tanto Te Amar”, a canção “Mulher Tsunami” fez jus ao título e tornou-se o carro chefe nas rádios. O trabalho contou com 10 canções, destaques para os hits “Super Poderosa”, “Caso Complicado”, “Já Virou Zoeira” e “Pode Falar”. Valorizando as raízes, o próprio Gui escolheu regravar “Anjo Loiro” e “Mistério”, num Pout-Porri em homenagem aos ídolos Milionário e José Rico e Matogrosso e Mathias.

O 2º CD “Além da Imaginação” ganhou a admiração do público. A música “Mulher Tsunami”, hit do primeiro álbum, ganhou uma releitura, sendo a única regravação do trabalho, acompanhada de 13 faixas inéditas, três composições do próprio Gui Ferreira, outro atributo importante do cantor.

O trabalho mescla músicas dançantes e românticas, na medida certa. Com arranjos modernos e letras bem elaboradas, fica até difícil eleger a melhor canção, de tão homogênea a obra. Entre as mais agitadas, “A Moda é ir pro Rancho” foi sucesso de execução, pois retrata a vida de quem mora no interior, com suas festas no campo. No lado romântico, destaque para “Cinco Motivos” e a belíssima “Se Você Deixar”, com direito a solo de piano de Gui Ferreira.

O hit “Mulher Tsunami” primeiro grande sucesso do cantor, que ganhou nova roupagem no álbum e “”Me Rendo A Você”, que traz um som mais jovem e moderno, também chamou a atenção dos críticos e fãs. “Não É Amor de Carnaval”, “Além Da Imaginação” e “Amor de BBB” são as canções autorais.

Gui Ferreira prepara, agora, o lançamento do 3º trabalho. O álbum intitulado “Sem Censura” promete conquistar o público que gosta do sertanejo dançante, mas que aprecia também o lado romântico do estilo.

O próprio nome do CD “Sem Censura” indica que o repertório está liberado para todos os públicos. Uma característica marcante do cantor que tem fãs de todas as idades.

O Hit “Desce Campari” será o carro-chefe do mais novo projeto, que conta também com grandes apostas de sucesso como “Censura”, “Modo Avião”, “Fazendo Amor”, “Sapato Velho”, e “Eu Amo”.

Já o lado romântico do álbum vem com destaque para as faixas: “Viu”, “Problema Seu”, “Se meu Travesseiro Falasse”, “A Distância” e a regravação do hit “Equalize sucesso da cantora Pit. Uma prova de que o artista passeia muito bem por todos os estilos musicais, sem deixar de lado a essência do sertanejo.
Atitude e talento não faltam a Gui Ferreira. Prova de sua personalidade, o próprio cantor cuida do repertório do seu show, prezando sempre o trabalho que mescla músicas dançantes e românticas,  explorando ao máximo seu dom musical, por meio de performances feitas pelo próprio artista no violão, guitarra e piano.

A interpretação de Gui Ferreira, seja em estúdio ou ao vivo, nos shows, é um espetáculo à parte. Nos palcos, em aproximadamente duas horas de apresentação, o sertanejo cumpre com o prometido e não deixa ninguém indiferente ao show. Entre canções de seu trabalho e os atuais hits do sertanejo universitário, ele mescla outros estilos como o Axé, Pop, Eletrônico, mas não esquece as raízes, onde tudo começou, e faz bela homenagem aos representantes do sertanejo mais tradicional: Daniel, Milionário & José Rico, Matogrosso & Mathias entre outros, têm seus clássicos lembrados.

Um cantor que verdadeiramente une voz, alma e coração quando canta. “Acredito que o amor que tenho pela música é perceptível no meu trabalho. Desde criança, ela fala alto ao meu coração. Assim eu procuro trabalhar: levando para as pessoas a alegria, por meio desse dom que Deus me deu. Agradeço a Ele todos os dias por essa oportunidade”, revela o sertanejo, que muitas vezes faz parecer que cantar é algo fácil, trivial, tamanha a facilidade em que transmite sua mensagem.

“Acredito que o amor que tenho pela música é perceptível no meu trabalho. Desde criança, ela fala alto ao meu coração. Assim eu procuro trabalhar: levando para as pessoas a alegria, por meio desse dom que Deus me deu. Agradeço a Ele todos os dias por essa oportunidade.”
Gui Ferreira